Segunda, 27 de Maio de 2024

DólarR$ 5,17

EuroR$ 5,61

Santos

20ºC

DOAÇÃO-ÓRGÃOS

Número de transplantes de órgãos fica abaixo do esperado para o 1º trimestre de 2024

Há também uma diminuição nas taxas de efetivação da doação, que atingiram 27,4%, e na de doadores efetivos, com este declínio sendo evidente tanto na comparação anual quanto em relação às expectativas para 2024

Folhapress - Raissa Basilio

16/05/2024 - quinta às 09h00

A taxa de doadores efetivos reduziu para 19,1 por milhão de pessoas (pmp), marcando uma queda de 4% em comparação com o ano anterior e situando-se 9% abaixo do esperado para este ano. - Lalo de Almeida

 Os dados de doações e transplantes de órgãos no primeiro trimestre de 2024 no Brasil mostram uma queda em relação às projeções e ao ano anterior. Há um aumento na taxa de notificação de potenciais doadores, mas uma menor efetivação de doação  2,1% menor do que em 2023 e 8,5% abaixo da estimativa.

Foram realizados 2.104 transplantes de órgãos (excluindo medula e córnea) de janeiro a março deste ano. No mesmo período do ano passado foram 2.023 transplantes realizados.
Em 2023, o número total registrado foi de 29.261 transplantes em todo o território nacional, representando o maior número já registrado na história do país e um aumento de 11% em comparação com os procedimentos realizados em 2022.

"Após um ano extraordinário, com taxas de doação e transplante superiores às previstas, fomos surpreendidos, neste trimestre, com uma queda nesses indicadores, quando comparados com os obtidos em 2023 e, principalmente com, as taxas projetadas para 2024", diz o médico Valter Garcia no relatório de Registro Brasileiro de Transplantes, da ABTO (Associação Brasileira de Transplante de Órgãos).

A taxa de doadores efetivos reduziu para 19,1 por milhão de pessoas (pmp), marcando uma queda de 4% em comparação com o ano anterior e situando-se 9% abaixo do esperado para este ano.

Há também uma diminuição nas taxas de efetivação da doação, que atingiram 27,4%, e na de doadores efetivos, com este declínio sendo evidente tanto na comparação anual quanto em relação às expectativas para 2024.

Um problema apontado pelo levantamento é que as negativas familiares e contraindicações médicas casos onde, mesmo se houver desejo do potencial doador, esse transplante é rejeitado ficaram acima das projeções, alcançando 43% (contra 40%) e 18% (contra 16%), respectivamente.

O estudo aponta ainda que a taxa de transplante renal teve uma redução de 7,7% em relação a 2023, registrando 27,5 doações pmp (-14,1% do previsto para 2024). O mesmo é observado na taxa de doadores vivos e falecidos, com declínios de 9,5% e 8% em relação a 2023, respectivamente.

A diminuição se repete em relação ao fígado, houve declínio de 7,9% em relação ao ano anterior, alcançando uma taxa de 10,5 pmp. O cenário muda em relação aos transplantes cardíacos, que aumentaram 9,5% em relação a 2023, chegando a 2,3 pmp, mas ainda 4,2% abaixo das projeções para 2024.

O transplante de pulmão, que varia muito devido ao baixo volume de casos, aumentou 66,6% em relação ao ano anterior, mas também ficou 37,5% abaixo da meta para este ano.
Os transplantes de fígado em 2024 chegaram a 535, sendo que em 2023 foram 2.379. Esse número foi o menor nos últimos 10 anos, já que em 2014, foram 1.758. Para outros órgãos, como o rim, que tem o maior índice de doações, em 2024, foram notificadas 1.396 transplantes no Brasil, contra 6.050 de 2023.

Em relação aos estados, Paraná, Rondônia e Santa Catarina possuem as maiores taxas de doação. Mas, os índices de transplantes específicos como renal e hepático mostram uma redução tanto em doadores vivos quanto falecidos em relação ao esperado para 2024.

"Portanto, os resultados deste trimestre foram decepcionantes, pois se esperava manter o crescimento obtido no passado, mas há tempo suficiente para reverter esse quadro e o objetivo passa a ser para o primeiro semestre atingir, pelo menos, as taxas de 2023, e para o 2º semestre alcançar a projeção para o ano", diz Garcia ao finalizar sua apresentação do estudo.

O estudo mostra que a fila de espera para doação no Brasil, entre órgãos sólidos e tecidos, soma 62.347 pacientes ativos, contra 61.339 de 2023. Com base nos dados de 2023, a meta da ABTO é alcançar 30 doadores de órgãos por milhão de população em um período de seis anos.

Deixe a sua opinião

Leia Mais

ver todos

DIREITOS HUMANOS

Brasília recebe primeira Parada do Orgulho da Pessoa com Deficiência

RIO GRANDE DO SUL

RS suspende aulas em três cidades por causa de previsão de chuvas

DIREITOS HUMANOS

Levantamento aponta crescimento da população de rua em São Paulo

2
Entre em nosso grupo