Segunda, 24 de Junho de 2024

DólarR$ 5,39

EuroR$ 5,78

Santos

31ºC

LEIA A COLUNA

Eleições 2024: PT e PL estarão juntos
em um município da Baixada Santista

Ambas siglas irão apoiar o pré-candidato a prefeito de Mongaguá, Paulo Wiazowski Filho (PP)

Sandro Thadeu

06/03/2024 - quarta às 01h50

Façanha para poucos
Em um período da política brasileira marcado pela polarização, o pré-candidato a prefeito de Mongaguá pelo PP, Paulo Wiazowski Filho, trabalhou para conseguir um feito improvável: manter na aliança dois partidos com perfis antagônicos: o PT, do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e o PL, liderado pelo ex-chefe do Executivo federal Jair Bolsonaro. É provável que essa parceria se repita em outras cidades no País.

Sinal verde
O presidente da agremiação da estrela vermelha em Mongaguá, Fernando Felizi, confirmou ontem à coluna que o PT aprovou o apoio a Wiazowski Filho. Ele explicou que a legenda está autorizada a fazer parte de coligações que não tenham pessoas do PL encabeçando a chapa e concorrentes ao Executivo identificados com o "bolsonarismo". 

Busca por parceiros
Na semana anterior, a coluna já havia divulgado que o PL estaria com o pré-candidato do PP ao Executivo municipal e deverá indicar o vice na chapa. "Estamos trabalhando para trazer mais partidos para fortalecer a nossa aliança. Mongaguá exige respeito", destacou Wiazowski Filho, que governou a Cidade de 2009 a 2012. 

Pronto para a disputa
O Solidariedade (SD), em Santos, está sob nova direção. O partido está sob o comando de Edson Peru, que trabalhou como assessor parlamentar do ex-deputado federal Beto Mansur (MDB). Muito conhecido no meio político, ele garantiu à coluna que a legenda irá apoiar Rosana Valle (PL) na disputa pelo Executivo e que já possui uma chapa de vereadores praticamente completa.

Aposta
Uma das pessoas que pode vir como candidata ao Legislativo pelo SD é a jornalista e radialista Sandra Iannuzzi. Com grande experiência na produção, roteirização e locução de programas para o horário eleitoral gratuito, a profissional ficou muito honrada com o convite e está avaliando a possibilidade de colocar o nome à disposição dos santistas.

Tarefa para poucos
Ao longo dos últimos meses, Sandra, que não tem filiação partidária, idealizou o projeto Café com Política, com o objetivo de desmistificar a política para os cidadãos. A partir dessa iniciativa, ela recebeu alguns convites de trabalho e até foi convidada a presidir a ala feminina de um partido na Cidade, mas acabou declinando. "Campanha política não é para qualquer um. É uma grande responsabilidade e uma intensa corrida contra o relógio. Tem que ter sangue nos olhos e gostar bastante", ressaltou. 

Prefeita na liderança
O Paraná Pesquisas divulgou, na tarde de ontem, uma sondagem sobre a corrida eleitoral em Praia Grande. No levantamento estimulado, no qual é apresentado um disco com os nomes dos pré-candidatos, a prefeita Raquel Chini (PSDB) aparece na liderança com 45,6%, seguida por Danilo Morgado (sem partido - 32,1%). Dr. Lissandro (Pode) surge com 2,5%, Danilo Sugoi, com 1,4%, e Jasper Sol (PSOL), com 1%. Brancos e nulos somam 10,4% e outros 7% não responderam ou estão indecisos. 

Na cabeça do povo
Na pesquisa espontânea, entre os nomes citados, o deputado federal Alberto Mourão (MDB) ficou no topo da lista, com 15,4%, seguido por Raquel (10%) e Morgado (3,9%). O parlamentar já comandou a Cidade por cinco vezes e pretende concorrer ao Executivo mais uma vez neste ano, conforme divulgado em primeira mão pela coluna no dia 20 de fevereiro.

Trabalho reconhecido
O mandato da atual gestora tem a aprovação de 74,2% dos consultados e 21,8% de reprovação. O índice de indecisos é de 4%. Os entrevistadores do instituto estiveram nas ruas entre os dias 28 de março e 4 de março. No total, foram ouvidos 840 eleitores. A margem de erro da pesquisa é de 3,5 pontos percentuais para cima ou para baixo. O levantamento está registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o nº SP-03662/2024.

Medida essencial
O vereador de Santos José Carlos Tiganá (PP) apresentou ontem o Projeto de Lei Complementar 17/2024, que busca incluir entre os serviços funerários a serem executados pelo Município o velório social, para suprir os custos com envolvidos no sepultamento de familiares de baixa renda. A ideia do parlamentar é que esse pedido seja feito pela família em unidades municipais da Assistência Social. A solicitação será direcionada à equipe que operacionaliza os serviços funerários da Cidade.

Deixe a sua opinião

Leia Mais

ver todos

LEIA A COLUNA

Câmara aprova regras para governos venderem dívida pública a bancos 

LEIA A COLUNA

Guarujá institui Política Municipal de Educação em Tempo Integral

POLÍTICA

Valdemar tenta tirar Pablo Marçal da eleição de SP e sinaliza apoiá-lo ao Senado

2
Entre em nosso grupo