Domingo, 21 de Julho de 2024

DólarR$ 5,60

EuroR$ 6,01

Santos

17ºC

SAÚDE

Brasil registra mais de 5 mil casos da febre Oropouche em 2024

Infectologista do Hospital Japonês Santa Cruz alerta sobre a doença que possui sintomas parecidos com os da dengue e da chikungunya

Robson de Castro

22/06/2024 - sábado às 18h00

O Ministério da Saúde apontou um aumento nos casos de febre Oropouche no Brasil. Segundo o último boletim divulgado, foram registrados no total 5.102 casos desde o início do ano, enquanto em 2023 foram registrados apenas 832 casos ao longo de todo o ano.

 

Entre os principais estados afetados estão Amazonas e Rondônia. Outros casos confirmados e em investigação foram contabilizados em estados como Acre, Amapá, Bahia, Espírito Santo, Maranhão, Pará, Paraná, Piauí, Rio de Janeiro, Roraima e Santa Catarina.

 

Segundo o infectologista do Hospital Japonês Santa Cruz, Dr. Silvio Bertini, a doença é causada por um arbovírus e sua primeira aparição no Brasil foi em 1960. "A febre Oropuche é transmitida principalmente pela picada de mosquitos infectados, especialmente o Culicoides paraenses. O vírus também pode ser transmitido por outros mosquitos, como Aedes serratus e Coquillettidia venezuelensis, mas em menor frequência."

 

Parecida com a dengue e a chikungunya, a febre oropouche tem como sintomas dor de cabeça, dor muscular, dor nas articulações, náusea e diarreia. Podendo só ser diagnosticada por meio de exames laboratoriais, por causa da grande semelhança.  O tratamento da febre Oropouche é principalmente sintomático, uma vez que não há um antiviral específico para o vírus. É recomendado repouso, hidratação e acompanhamento médico.

 

"A prevenção da febre Oropouche se baseia em medidas para evitar a picada dos mosquitos vetores. É recomendado o uso de repelentes nas áreas expostas da pele e sobre as roupas, seguindo as instruções do fabricante. Também é importante usar roupas de manga longa e calças compridas para minimizar a exposição da pele. A instalação de telas mosquiteiras em janelas e portas é uma medida eficaz para evitar a entrada de mosquitos nas residências", orienta o infectologista.

 

Outra ação fundamental é a eliminação de criadouros de mosquitos, removendo água parada em recipientes como pneus, vasos de plantas e outros objetos que possam acumular água, onde os mosquitos depositam seus ovos.

 

A febre Oropouche está na lista de doenças de notificação compulsória devido ao seu potencial epidêmico e alta capacidade de mutação, podendo se tornar uma ameaça significativa à saúde pública. "É fundamental que todos estejam cientes das medidas de prevenção e do papel que cada um pode desempenhar na luta contra a disseminação da doença", finaliza o infectologista.

Deixe a sua opinião

Leia Mais

ver todos

SAÚDE

Pessoas com Esclerose Lateral Amiotrófica levam até 13 meses para obter diagnóstico

SAÚDE

Palpitações: como diferenciar entre problemas do coração e ansiedade?

SAÚDE

Valeriana, tília e camomila: o poder das ervas calmantes

2
Entre em nosso grupo