Segunda, 20 de Maio de 2024

DólarR$ 5,11

EuroR$ 5,55

Santos

22ºC

BS9 - Badra Comunicação

Mais da metade é contra legalização da maconha, revela pesquisa Badra

Cerca de 16% aceitam a liberação, desde que apenas para uso medicinal

Redação BS9

18/07/2021 - domingo às 09h00

Os contrários à legalização foram maioria em quase todas as faixas etárias - BS9

Até pouco tempo atrás, a polêmica sobre a legalização da maconha era meio Fla-Flu. Ou você era contra ou a favor. Mas a discussão girava sempre em torno do uso recreativo da droga. De uns anos para cá, a fumaça se dissipou, revelando os benefícios da maconha para a saúde. E aí, algumas pessoas que eram radicalmente contra deram uma relaxada, no bom sentido.
 
Esse novo olhar para a questão fez o Portal BS9 encomendar à Badra Comunicação a seguinte pesquisa na Baixada Santista: "Você é a favor ou contra a legalização da maconha?". Mas mesmo com a opção de liberá-la apenas para uso medicinal, pouco mais da metade das 2.600 pessoas ouvidas em maio nas 9 cidades se posicionou contra.
 
Os contrários à legalização foram 56,7%. Votaram a favor 24,9%. E aqueles que aceitam a liberação da maconha desde que para a fabricação de medicamentos são 16,3%.
 
Algumas curiosidades: das quatro faixas etárias masculinas e femininas pesquisadas (16-24 anos; 25-44; 45-59; 60 ou mais), apenas entre os homens de 16 a 24 anos a parcela favorável à legalização venceu os que são contra.
 
Já entre as mulheres das faixas de 45 e 59 anos e a partir de 60 anos, o número de pessoas a favor da maconha para uso medicinal foi superior à quantidade de gente que apoia a liberação total. Mesmo assim, houve mais mulheres contra a legalização.
 
Com a palavra
O tema da maconha para uso medicinal ainda parece ser novo para muita gente e deve render mais debates pela frente. Em junho, por exemplo, uma comissão da Câmara dos Deputados aprovou um projeto do deputado Luciano Ducci (PSB-PR) que autoriza a fabricação e comercialização de produtos e medicamentos à base de maconha.
 
A votação foi bem apertada: 18 a 17. Os parlamentares que votaram a favor asseguram que a única utilização da planta permitida tem fins medicinais e científicos. Além disso, o cultivo só será autorizado para pessoas jurídicas.
 
"O plantio da cânabis e o seu uso para fins medicinais já é legalizado no Brasil, mas para um grupo muito restrito de quem tem dinheiro e pode pagar pelo medicamento comercializado ou importado. Esse projeto de lei é necessário para permitir a ampliação do acesso mediante redução de custos", disse ao jornal Folha de S. Paulo a deputada Natália Bonavides (PT-RN).
 
Os que são contra entendem que a proposta é "abrangente demais". “Não queremos um marco legal da maconha”, disseram Otoni de Paula (PSC-RJ) e Caroline de Toni (PSL-SC) à Agência Câmara.
 
E por acreditar que essa aprovação pode representar um pontapé inicial para a legalização total da maconha, o grupo acredita que a aprovação pode causar riscos à segurança pública.
 
Sobre isso, o coronel Cássio Araújo de Freitas, comandante da Polícia Militar na Baixada Santista e Vale do Ribeira, na primeira Entrevista de Domingo do Portal BS9. Para ele, o usuário de drogas, não só a maconha, colabora indiretamente para o tráfico. 
 
"Vamos falar de economia agora. É o traficante que gera o usuário ou o usuário que gera o traficante? Acho que quem gera demanda é quem gera demanda para o tráfico. Se a demanda está aumentando, o tráfico tende a aumentar também. É uma via de mão dupla. É importante falar que não estamos querendo prender, criminalizar o usuário. Mas ele não está inocente nessa história. O usuário faz parte do sistema, sim".
 
Na opinião do coronel, o usuário não precisa ser preso, mas deve ser responsabilizado.
 
"Será que o camarada que fuma maconha na praia, na frente dos nossos filhos, não merece uma multa? (...) Ele está naquela parte que é da área de saúde, mas é de segurança pública também. Está tudo misturado. O usuário ajuda, sim, a financiar o crime organizado. (...) Ninguém quer criminalizar, prender usuário. Seria inviável isso. Mas ele precisa, sim, ter uma responsabilidade social. Quando você toma sua multa por ter avançado o sinal vermelho e essa multa é revertida aos órgãos de trânsito, você está sendo responsabilizado. Acho justo e bem lógico".
 
Dados e critérios da pesquisa
A Pesquisa Badra Comunicação foi realizada entre os dias 10 e 13 de maio e ouviu 2.600 moradores, nas 9 cidades da Baixada Santista, obedecendo a proporção populacional e por sexo, faixa etária, escolaridade e renda. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. O intervalo de confiança é de 95%.

Deixe a sua opinião

Leia Mais

ver todos

Instituto Badra

Pesquisa revela que 37% das mães paulistas têm dificuldade de dizer não para seus filhos

INFORMATIVO

Instituto Paraná confirma tendência antecipada por pesquisa Badra na corrida pela Prefeitura de SP

ELEIÇÕES 2024

Badra divulga nova rodada de pesquisa de intenção de voto para as nove cidades da Baixada Santista

2
Entre em nosso grupo