Sexta, 19 de Abril de 2024

DólarR$ 5,20

EuroR$ 5,54

Santos

21ºC

PETRÓLEO-PREÇOS

Petróleo perto dos US$ 90 amplia pressão por reajustes dos combustíveis

Ontem, dia 3, o barril do tipo Brent, referência internacional negociada em Londres, opera perto dos US$ 90 por barril, patamar atingido pela última vez em outubro de 2023.

da Folhapress/Nicola Pamplona

04/04/2024 - quinta às 09h00

A alta reflete o aumento das tensões no Oriente Médio e melhores perspectivas para a economia global. - Rovena Rosa

O repique das cotações internacionais do petróleo nos últimos dias joga ainda mais pressão sobre a Petrobras. A petroleira opera desde o início do ano com elevadas defasagens nos preços da gasolina e do diesel.

Nesta quarta-feira (3), o barril do tipo Brent, referência internacional negociada em Londres, opera perto dos US$ 90 por barril, patamar atingido pela última vez em outubro de 2023.

A alta reflete o aumento das tensões no Oriente Médio e melhores perspectivas para a economia global.

"A fotografia hoje é de uma pressão grande para reajuste [no preço dos combustíveis]", diz Bruno Pascon, sócio da consultoria CBIE (Centro Brasileiro de Infraestrutura).
O governo, por outro lado, vem enfrentando problemas de popularidade, com mais brasileiros considerando que a economia brasileira e sua situação econômica pessoal pioraram, cenário que poderia ser agravado com o efeito inflacionário do aumento no preço da gasolina.

A Petrobras está prestes a completar seis meses sem mexer no preço da gasolina em suas refinarias. A última alteração foi um corte de R$ 0,12 por litro no dia 20 de outubro de 2023, acompanhando queda da cotação internacional do petróleo.

Na abertura do mercado desta quarta, o preço da gasolina nas refinarias da estatal estava R$ 0,62 por litro abaixo da paridade de importação calculada pela Abicom (Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis).

Já são quase três semanas com defasagem acima dos R$ 0,50 por litro, de acordo com esse indicador.

A Petrobras diz em sua nova política de preços que não segue mais de perto o conceito de paridade de importação, mas que não se afastará totalmente do mercado internacional.

Em 2024, a cotação do Brent subiu quase 18%, considerando o fechamento desta terça-feira (2), ou US$ 13 por barril. O mercado de combustíveis está ainda mais pressionado, com estoques em baixa diante de paradas para manutenção em refinarias ao longo do mundo.

O mercado de gasolina entra ainda em um período de alta com a proximidade do verão no hemisfério Norte, quando o consumo é impulsionado pela temporada de viagens de carro nos Estados Unidos.

No caso do diesel, o preço das refinarias da Petrobras está R$ 0,44 por litro abaixo da paridade calculada pela Abicom. O último reajuste foi promovido no fim de dezembro, com corte de preço na véspera da retomada da cobrança de impostos federais.

"A expectativa é que em algum momento a Petrobras tenha de revisar os preços no mercado doméstico", diz Pascon, do CBIE. A consultoria estima que, na média do ano, os preços da gasolina e do diesel subirão 3,2% no país, em comparação à média de 2023.

Em um comunicado padrão sobre o tema, a Petrobras diz que segue "acompanhando com atenção os fundamentos do mercado internacional e nacional". "Por questões concorrenciais, não podemos antecipar as nossas decisões de reajuste", afirma a empresa.

O texto diz que a nova estratégia comercial da empresa considera, além da paridade de importação, "as nossas melhores condições de refino e logística para a prática de preços competitivos e mitigação da volatilidade externa, proporcionando períodos de estabilidade de preços aos nossos clientes".

Deixe a sua opinião

Leia Mais

ver todos

ECONOMIA

Um em cada cinco lares recebia benefício do Bolsa Família em 2023

SAÚDE

Anvisa discute nesta sexta regulamentação de cigarro eletrônico

EDUCAÇÃO

Uso de ChatGPT no ensino exige cuidado, alerta especialista

2
Entre em nosso grupo