Segunda, 27 de Maio de 2024

DólarR$ 5,17

EuroR$ 5,61

Santos

21ºC

POLÍTICA

Agressão de deputado do PT e comportamento de bolsonaristas desmoralizam Congresso, diz Lira

Lira se referia ao tapa dado pelo deputado Washington Quaquá (PT-RJ) no rosto do deputado Messias Donato (Republicanos-ES) e às vaias de bolsonaristas contra a presença do presidente Lula (PT) na solenidade

Da Folhapress - Cézar Feitoza

22/12/2023 - sexta às 00h01

Para o presidente da Câmara, as brigas ofuscaram a histórica promulgação da reforma tributária - Foto: Reprodução

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), afirmou nesta quinta-feira (21) esperar que os partidos políticos não fechem acordos para preservar de punição os deputados que participaram de agressões físicas e verbais durante a promulgação da reforma tributária.

Lira se referia ao tapa dado pelo deputado Washington Quaquá (PT-RJ) no rosto do deputado Messias Donato (Republicanos-ES) e às vaias de bolsonaristas contra a presença do presidente Lula (PT) na solenidade.

"Eu apelo sim pela dignidade política dos partidos envolvidos para que, depois desses atos de deputados que patrocinaram todo tipo de deselegância e atos de falta de decoro, não se tenha acordo no Conselho de Ética --como já houve em outros casos--, para se proteger PT e PL, principalmente, para proteger os que lá foram e lá estavam", disse Lira em entrevista à GloboNews.

Para o presidente da Câmara, as brigas ofuscaram a histórica promulgação da reforma tributária.

"O fato ontem, claro, deprecia, desmoraliza, é ruim para o Parlamento. As imagens que ficam e que vão para o mundo são depreciativas [...]. Eu não concordo com tudo que o presidente Lula defende e, nem por isso, nós nunca nos agredimos. Ele defende ideias diversas das nossas, mas a política é a arte de viver com contrários, a arte de conviver com pessoas nessa pluralidade partidária que a Câmara tem", completou.

O Republicanos prepara uma representação contra Washington Quaquá para o Conselho de Ética. No documento, o partido vai pedir a cassação do mandato do parlamentar pela agressão cometida contra Messias Donato.

A agressão ocorreu enquanto o petista filmava deputados bolsonaristas que gritavam contra Lula. Quaquá trocou ofensas com o deputado Nikolas Ferreira (PL-MG), com ataques homofóbicos.

Na sequência, Messias Donato puxou o braço do petista, em aparente tentativa de retirar o celular da mão do parlamentar. Em troca, Quaquá deu um tapa no rosto do deputado capixaba.

O deputado petistas disse à Folha que não se arrepende da agressão.

"E esse tal de Messias -que eu nem sei quem é--, que estava xingando o Lula, pega no meu braço, tenta tomar o meu telefone e me empurra. Ele toma um tapa no meio da cara. Dei um, dou dois, dou três, não tenho problema nenhum. Se me agredir, eu agrido eles. Estão acostumados a querer dar uma de machão, de bater nos outros, os bolsonaristas, comigo a porrada canta. Dei-lhe um tapa na cara, e um bem dado", afirmou.

Durante a entrevista, Lira criticou o fato de lideranças partidárias buscarem acordos dentro do Conselho de Ética para evitar punições a parlamentares acusados de faltarem com o decoro parlamentar.

"Infelizmente aconteceu e eu espero, sinceramente, que os membros do Conselho de Ética ajam com o rigor necessário, porque existiram xingamentos de todos os lados, e o fato como aconteceu não deixa ninguém feliz", continuou.

Lira ainda mencionou que se reunirá com líderes partidários nesta quinta para conversar, entre outras coisas, sobre os casos.

Deixe a sua opinião

Leia Mais

ver todos

DIREITOS HUMANOS

Brasília recebe primeira Parada do Orgulho da Pessoa com Deficiência

RIO GRANDE DO SUL

RS suspende aulas em três cidades por causa de previsão de chuvas

DIREITOS HUMANOS

Levantamento aponta crescimento da população de rua em São Paulo

2
Entre em nosso grupo