Domingo, 22 de Maio de 2022

DólarR$ 4,88

EuroR$ 5,15

São Paulo

23º max

11º min

PRESIDENTE NA FEIBANANA

Em Pariquera-Açu, Bolsonaro exalta a força da banana do Vale; veja o vídeo

Em rápido discurso, ele procurou mostrar sua ligação com a região e fez uma campanha de leve para Tarcísio de Freitas

Por Alexandre Fernandes - Redação BS9

12/05/2022 - quinta às 22h14

Bolsonaro assumiu sua responsabilidade na alta dos combustíveis, mas diz que o Brasil é um dos países que menos têm sofrido com a inflação no mundo - (foto: Reprodução/TV Brasil)

O presidente Jair Bolsonaro (PL) esteve nesta quinta-feira, dia 12, em Pariquera-Açu, no Vale do Ribeira, onde participou do encerramento da 10ª Feira Nacional da Bananicultura, a Feibanana. Ovacionado pelo público que lotou o Centro de Eventos da cidade, ele exaltou a força da banana. Não só a produzida na região, mas a brasileira.

Em um discurso que durou pouco menos de 15 minutos, Bolsonaro procurou demonstrar que conhece de perto a realidade dos bananicultores. E citou um episódio de 2014, quando ainda era deputado federal.

"Tomei conhecimento de uma instrução normativa que permitia a importação de bananas do Equador para o Brasil. Por si só, simplesmente era impossível entender aquilo. Como importar bananas a 10 mil km de distância, passando pelo Canal do Panamá, para chegar até o Porto de Santos de forma competitiva?".

Bolsonaro também citou que, pelo acordo, o controle fitossanitário era realizado pelo Equador e não pelo Brasil. "Poderíamos estar importando doenças, como a sigatoka negra e o moko da bananeira".

Segundo ele, por tudo isso, assim que assumiu a presidência, em 2019, pediu à então ministra da Agricultura Tereza Cristina para revogar a instrução normativa, "salvando aqui, em grande parte, a nossa banana do Vale do Ribeira, bem como a de todo o Brasil".

Pontes no Vale
Em seu discurso, Jair Bolsonaro falou rapidamente sobre outras obras do governo federal na região. Mais especificamente três pontes. Uma delas já está em execução e passará sobre o Rio Pariquera-Açu.

Mais tarde, durante a live que faz às quintas-feiras, o presidente falou sobre a importância dessa obra. "Hoje, Pariquera-Açu só tem uma entrada", disse ele, referindo-se à Avenida Dr. Carlos Botelho, única via de acesso às cidades litorâneas do Vale, como Cananeia, Ilha Comprida e Iguape. "Com essa ponte, vai ter outra entrada".

As outras duas pontes, segundo Bolsonaro, estão em fase final de licitação. Uma na Barra do Batatal, em Eldorado, passando sobre o Rio Ribeira de Iguape. A outra vai ligar Itaóca à cidade paranaense de Adrianópolis.

Inflação e alta dos combustíveis
Ao explicar por que essas obras ainda não saíram do papel, o chefe do Executivo responsabilizou as medidas restritivas adotadas pelos governadores durante a fase mais aguda da pandemia de Covid-19.

"A demora foi consequência daquela política errada, que o mundo todo adotou e o Brasil também, contra a minha vontade, já que a decisão coube a cada governador, do 'fique em casa e a economia a gente vê depois'", disse Bolsonaro para, logo em seguida, entrar no tema inflação.

"A consequência foi e está sendo uma inflação generalizada no mundo todo. E o Brasil é um país que está tendo inflação, aumento de combustíveis. Sei disso e assumo a minha responsabilidade. Mas isso se faz presente no mundo todo", declarou o presidente, afirmando que o país é um dos que menos estão sofrendo nesse quesito.

Campanha discreta por Tarcísio
Quem também esteve na Feibanana foi o ex-ministro da Infraestrutura Tarcísio de Freitas. Atual candidato a governador de São Paulo pelo Republicanos, ele foi aplaudido e teve seu nome gritado várias vezes.

O presidente evitou fazer uma campanha explícita ao aliado. Procurou exaltar o trabalho dele à frente da pasta. "O homem que à frente daquele ministério, usando o Exército Brasileiro para recuperar estradas pelo Brasil, fazendo contratos sérios também com a iniciativa privada, fez ressurgir no Brasil o modal ferroviário".

Bolsonaro ainda disse que, em junho, viajará de trem com Tarcísio para inaugurar a Ferrovia Norte-Sul, que vai ligar os portos de Itaqui, em São Luís do Maranhão, e de Santos.

Políticos da região presentes
Políticos ligados ao Vale do Ribeira e à Baixada Santista também compareceram ao evento. Os deputados estaduais Paulo Correa Jr. (PSD) e Wellington Moura (Republicanos), além da deputada federal Rosana Valle, que recentemente trocou o PSB pelo PL de Bolsonaro e vem sendo apontada como possível candidata a vice na chapa de Tarcísio de Freitas.

É de casa
Jair Bolsonaro foi recebido com festa em Pariquera-Açu. Assim que chegou, ele já participou de uma motociata organizada por apoiadores.

Apesar do breve discurso na Feibanana, o presidente procurou em vários momentos mostrar sua conexão com o Vale do Ribeira. "É uma satisfação muito grande voltar para essa região que me acolheu quando eu tinha 5 anos de idade", disse ele, lembrando de quando estudou nas cidades de Ribeira, Sete-Barras e Eldorado.

Em suas palavras finais, declarou: "Quem podia imaginar alguém sair do Vale do Ribeira e chegar à presidencia da Republica?". O público reagiu com fortes aplausos e gritos de "mito".

Havia até a expectativa de que Bolsonaro permanecesse mais um pouco na região e fosse a Miracatu, onde vive o irmão Renato Bolsonaro. Mas ele nem ficou para o restante do evento, seguindo logo para São Paulo.

Deixe a sua opinião

Leia Mais

ver todos

DA BAIXADA SANTISTA PARA O MUNDO

Ana Marcela Cunha garante ouro na Espanha

ECONOMIA

Estatal boliviana reduz 30% do fornecimento de gás natural ao Brasil

CHAMPIONS LEAGUE FEMININA

Lyon derrota Barcelona em Turim e conquista Liga dos Campeões

2
Entre em nosso grupo