Quarta, 17 de Agosto de 2022

DólarR$ 5,16

EuroR$ 5,25

Santos

25º max

16º min

A arbitragem como espetáculo

Felipe Pupo - Professor de História e profissional da área da comunicação, com ênfase no trabalho voltado à Política, Esporte e Educação

Felipe Pupo

26/05/2022 - quinta às 00h00

O árbitro é uma figura emblemática no futebol. Autoridade máxima dentro das quatros linhas, ele tem a nobre competência para apontar as infrações, estabelecer as penalidades e mediar os conflitos naturais dentro do jogo. Talvez, por isso, o assoprador do apito também é chamado de “juiz” de futebol. 

O ex-árbitro e histórico comentarista esportivo Arnaldo Cézar Coelho sempre disse que o bom desempenho deste profissional pode ser avaliado à medida em que ele passa despercebido ao longo dos 90 minutos. Nessa lógica, quando as atenções do jogo se voltam para o juiz, temos um sinal de que as coisas não andam lá muito bem.

A regra é clara: o homem (ou mulher) do apito deveria ser um mero coadjuvante no espetáculo do futebol. Mas, infelizmente, a arbitragem nacional tem um perfil excessivamente intervencionista e culturalmente midiático. 

Logo, é comum que os assopradores do apito venham a assumir um protagonismo indevido na partida, ofuscando jogadores, técnicos e, até mesmo, a torcida. 

Talvez muitos possam imaginar que o comportamento dos profissionais seja um reflexo da era moderna, pautada pela exposição da imagem nas redes sociais. Longe disso. Em 1981, os brasileiros assistiam futebol com a antiga televisão de tubo, quando o árbitro José Roberto Wright roubou a cena em um duelo da Taça Libertadores entre Flamengo e Atlético-MG, expulsando nada mais, nada menos, do que cinco jogadores do Galo. 

Cerca de quatro décadas depois do episódio, a arbitragem brasileiro continua a repetir os mesmos erros, revelando jogo após jogo o seu amadorismo e despreparo para assumir a tamanha responsabilidade de apitar um jogo da elite do futebol. 

No entanto, o problema vai muito além da competência e da qualidade das pessoas que apitam os jogos das competições nacionais e regionais. De fato, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF), milionária e uma das mais poderosas do mundo, tem sido incapaz de promover a habilitação adequada e a reciclagem das equipes de arbitragem, compatível à modernização do esporte como um todo.  

É sabido que os juízes não conseguem se dedicar apenas ao futebol como um único ramo de atuação. Quase todos eles exercem atividades paralelas, como bancários, servidores públicos, vendedores e outras profissões. Isso sem contar a maratona de jogos e viagens que também afeta o rendimento desses profissionais. Além disso, eles ganham o seu ordenado por jogo, como se fossem free lancers. Inacreditável. Por uma questão lógica,  eles carecem de tempo e de recursos para a qualificação profissional, o que poderia ser suprimido pela entidade máxima do futebol.

Apesar disso, os apaixonados pelo esporte tinham a esperança de que a tecnologia de vídeo - o nosso consagrado VAR - poderia ser a solução dos nossos problemas. Grande ilusão. O equipamento serviu apenas para potencializar o intervencionismo e ampliar os holofotes aos homens do apito. 

Entre o amadorismo e a incompetência, os operadores do VAR, os assopradores apito e os seus assistentes (bandeirinhas) ganharam os principais holofotes espetáculo, não pela sua atuação magistral, obviamente, mas por roubar a cena com os sucessivos erros absurdos e a atuação vexatória na maioria dos jogos da competição. É lamentável que, rodada após a rodada, a arbitragem tenha uma interferência preponderante no resultado das partidas, sem nenhuma reação da CBF.

Os erros acontecem para todos os lados, porém, inegavelmente, o Santos FC tem sido um dos mais prejudicados. Os pontos sonegados ao clube podem custar uma vaga na Libertadores ou, ainda, de forma dramática, empurrar o time na luta contra o rebaixamento. Pode isso, Arnaldo? A diretoria do Peixe precisa reagir nos bastidores enquanto há tempo!

 

Deixe a sua opinião

Últimas Notícias

ver todos

PRISÃO CONVERTIDA

Advogada suspeita de planejar fuga de Marcola cumprirá prisão domiciliar

ELEIÇÕES 2022

MPE ingressa com pedido de impugnação de 84 candidaturas em São Paulo

OPORTUNIDADE

Santistas podem se inscrever em curso de auxiliar administrativo com bolsa de R$ 210

2
Entre em nosso grupo